fbpx

Comandos Linux – Comando csh

Comando Linux csh

Atualizado: 05/04/2019 por Computer Hope

comando csh

Em sistemas operacionais do tipo Unix, o comando csh inicia o shell C, é um interpretador de comandos com uma sintaxe inspirada na linguagem de programação C.

Descrição

O csh é um intérprete de linguagem de comando com muitos recursos poderosos, incluindo um mecanismo de histórico (consulte Substituições do histórico ), recursos de controle de tarefas (consulte Trabalhos ), conclusão de nome de arquivo interativo e nome de usuário (consulte Conclusão de nome de arquivo ) e uma sintaxe semelhante a C. É usado como um shell de login interativo e como um processador de comandos de script de shell.

Se o primeiro argumento (argumento 0) do shell for um traço (‘  ‘), o csh será executado como um shell de logon. Um shell de login também pode ser especificado invocando o shell com o sinalizador -l como o único argumento.

Sintaxe

  csh [-bcefimnstVvXx] [ argumento ...]
  csh [-l]

Opções

-bEsse sinalizador força uma ” interrupção ” do processamento da opção, fazendo com que outros argumentos do shell sejam tratados como argumentos que não são de opção. Os argumentos restantes não serão interpretados como opções de shell. Isso pode ser usado para passar opções para um script de shell sem confusão ou possível subterfúgio. O shell não executará um script set-user-ID sem essa opção.
-cOs comandos são lidos a partir do argumento único após -c , que deve estar presente. Quaisquer argumentos restantes são colocados em argv .
-eO shell é encerrado se algum comando invocado terminar de maneira anormal ou gerar um status de saída diferente de zero.
-fO shell iniciará mais rapidamente, porque não procurará nem executará comandos do arquivo .cshrc no diretório inicial do chamador. Observe que, se a variável de ambiente HOME não estiver definida, a inicialização rápida é o padrão.
-iO shell é interativo e solicita sua entrada de nível superior, mesmo que pareça não ser um terminal. Os shells são interativos sem essa opção se suas entradas e saídas forem terminais.
-IO shell é um shell de logon (mas apenas se -l for o único sinalizador especificado).
-mLeia .cshrc , independentemente de seu proprietário e grupo. Esta opção é perigosa e deve ser usada apenas pelo superusuário .
-nOs comandos são analisados , mas não executados. Isso é útil para verificar a sintaxe dos scripts de shell. Quando usado interativamente, o shell pode ser encerrado pressionando control-D (caractere de final de arquivo ), pois a saída não funcionará.
-sA entrada do comando é obtida da entrada padrão .
-tUma única linha de entrada é lida e executada. Uma barra invertida ( \ ) pode ser usada para escapar da nova linha no final desta linha e continuar em outra linha.
-VFaz com que a variável detalhada seja definida mesmo antes da execução do .cshrc .
-vFaz com que a variável detalhada seja definida, com o efeito de que a entrada do comando seja repetida após a substituição do histórico.
-XFaz com que a variável echo seja definida mesmo antes da execução do .cshrc .
-xFaz com que a variável echo seja definida, para que os comandos sejam repetidos imediatamente antes da execução.

Depois que os argumentos do sinalizador são processados, se os argumentos permanecerem, mas nenhuma das opções -c , -i , -s ou -t for fornecida, o primeiro argumento será considerado como o nome de um arquivo de comandos a serem executados. O shell abre esse arquivo e salva seu nome para possível re-substituição em $ 0 . Como muitos sistemas usam os shells padrão da versão 6 ou 7, cujos scripts de shell não são compatíveis com esse shell, o shell executará um shell “padrão” se o primeiro caractere de um script não for uma marca de hash ( # ); ou seja, se o script não começar com um comentário. Os argumentos restantes inicializam a variável argv .

Uma instância do csh começa executando comandos do arquivo /etc/csh.cshrc e, se esse for um shell de login, /etc/csh.login . Em seguida, ele executa comandos de .cshrc no diretório inicial do invocador e, se esse for um shell de logon, o arquivo .login no mesmo local. É comum que os usuários nos monitores CRT coloquem o comando ” stty crt ” em seu arquivo .login e também invoquem o tset lá.

No caso normal, o shell começará a ler comandos do terminal , solicitando com %. O processamento de argumentos e o uso do shell para processar arquivos contendo scripts de comando são descritos abaixo.

O shell executa repetidamente as seguintes ações: uma linha de entrada de comando é lida e dividida em “palavras”. Essa sequência de palavras é colocada na lista do histórico de comandos e analisada. Finalmente, cada comando na linha atual é executado.

Quando um shell de logon termina, ele executa comandos dos arquivos .logout no diretório inicial do usuário e /etc/csh.logout .

Estrutura Lexical

O shell divide as linhas de entrada em palavras em espaços em branco e guias, com as seguintes exceções. Os caracteres & , | ; < , > , ( , e ) formam palavras separadas. Se dobrar em && , || << ou >> , esses pares formam palavras únicas. Esses metacaracteres do analisador podem fazer parte de outras palavras ou ter seu significado especial impedido, precedendo-os com uma barra invertida ( \ ). Uma nova linha precedida por a \ é equivalente a um espaço em branco.

Seqüências de caracteres entre pares de aspas correspondentes,  , ` ou  formam partes de uma palavra; os metacaracteres nessas seqüências de caracteres, incluindo espaços em branco e tabulações, não formam palavras separadas. Essas citações têm semântica a ser descrita posteriormente. Dentro de pares de  ou  caracteres, uma nova linha precedida por a \ fornece um verdadeiro caractere de nova linha.

Quando a entrada do shell não é um terminal, o caractere # introduz um comentário que continua até o final da linha de entrada. Este significado especial é evitado quando precedido por \ e entre aspas usando ` ,  e  .

Comandos

Um comando simples é uma sequência de palavras, a primeira especifica o comando a ser executado. Um comando simples ou uma sequência de comandos simples separados por | caracteres forma um pipeline. A saída de cada comando em um pipeline é conectada à entrada do próximo. Sequências de tubulações podem ser separadas por ; e são executados sequencialmente. Uma sequência de pipelines pode ser executada sem esperar imediatamente o término seguindo-o com um & .

Qualquer uma das opções acima pode ser colocada em ( ) para formar um comando simples (que pode ser um componente de um pipeline, por exemplo). Também é possível separar oleodutos com || ou && mostrando, como no idioma C, que o segundo deve ser executado apenas se o primeiro falhar ou for bem-sucedido, respectivamente. Veja expressões .

Empregos

O shell associa um trabalho a cada pipeline. Ele mantém uma tabela de trabalhos atuais, impressa pelo comando de trabalhos, e atribui a eles pequenos números inteiros . Quando um trabalho é iniciado de forma assíncrona com & , o shell imprime uma linha parecida com:

  [1] 1234

mostrando que o trabalho iniciado de forma assíncrona era o número 1 e tinha um processo (de nível superior), cujo ID do processo era 1234 .

Se você estiver executando um trabalho e desejar fazer outra coisa, pressione ^ Z (control-Z), que envia um sinal SIGSTOP para o trabalho atual. O shell normalmente mostrará que o trabalho foi “Parado” e imprimirá outro prompt. Em seguida, você pode manipular o estado desse trabalho, colocando-o em segundo plano com o comando bg ou executar outros comandos e, eventualmente, trazer o trabalho de volta ao primeiro plano com o comando fg . ^ Z entra em vigor imediatamente e é como uma interrupção em que a saída pendente e a entrada não lida são descartadas quando digitadas. Há outra chave especial ^ Y que não gera um sinal SIGSTOP até que um programa tente lê-lo. Essa solicitação pode ser útil quando você tiver preparado alguns comandos para um trabalho que deseja interromper após a leitura.

Um trabalho que está sendo executado em segundo plano será interrompido se tentar ler no terminal. Normalmente, os trabalhos em segundo plano têm permissão para produzir saída, mas isso pode ser desativado dando o comando stty tostop . Se você definir esta opção tty , os trabalhos em segundo plano serão interrompidos quando tentarem produzir saída, como fazem ao tentar ler a entrada.

Existem várias maneiras de se referir a trabalhos no shell. O caractere % introduz um nome de trabalho. Se você quiser se referir ao trabalho número 1, pode nomeá-lo como % 1 . Apenas nomear um trabalho o coloca em primeiro plano; portanto, % 1 é sinônimo de fg% 1 , trazendo o trabalho número 1 de volta ao primeiro plano. Da mesma forma, dizer % 1 & retoma o trabalho número 1 em segundo plano. Os trabalhos também podem ser nomeados por prefixos da sequência digitada para iniciá-los, se esses prefixos não forem ambíguos; portanto, % ex normalmente reiniciaria um trabalho ex suspenso, se houvesse apenas um trabalho suspenso cujo nome começasse com a cadeia “ex”. Também é possível dizer %? string , que especifica um trabalho cujo texto contenha string , se houver apenas um desses trabalhos.

O shell mantém uma noção dos trabalhos atuais e anteriores. Na saída dos trabalhos, o trabalho atual é marcado com um + e o trabalho anterior com um  . A abreviação % + refere-se ao trabalho atual e % – refere-se ao trabalho anterior. Para uma analogia próxima com a sintaxe do mecanismo do histórico (descrito abaixo), %% também é sinônimo do trabalho atual.

O mecanismo de controle de tarefas exige que a opção stty new seja definida. É um artefato de uma nova implementação do driver tty que permite a geração de caracteres de interrupção do teclado para dizer aos trabalhos que parem. Consulte stty para obter detalhes sobre as opções de configuração no novo driver tty.

Relatório de status

O shell aprende imediatamente sempre que um processo muda de estado. Normalmente, ele informa sempre que um trabalho é bloqueado, para que nenhum progresso adicional seja possível, mas apenas antes de imprimir um prompt. Isso é feito para não atrapalhar o seu trabalho. Se, no entanto, você definir a variável de notificação de shell, o shell notificará você imediatamente sobre alterações de status nos trabalhos em segundo plano. Há também um comando de shell notificar que marca um único processo para que suas alterações de status sejam imediatamente relatadas. Por padrão, o notify marca o processo atual; diga notificar após iniciar um trabalho em segundo plano para marcá-lo.

Quando você tenta sair do shell enquanto os trabalhos estão parados, você será avisado de que “Você interrompeu os trabalhos”. Você pode usar o comando jobs para ver o que são. Se você tentar sair novamente imediatamente, o shell não avisará uma segunda vez e os trabalhos suspensos serão encerrados.

Conclusão do nome do arquivo

Quando o recurso de conclusão de nome de arquivo é ativado pela configuração da variável de shell filec (consulte o conjunto ), o csh conclui interativamente nomes de arquivos e nomes de usuários a partir de prefixos exclusivos quando são inseridos no terminal, seguidos pelo caractere de escape (a tecla de escape ou controle). [ ) Por exemplo, se o diretório atual se parecer com

 DSC.OLD                     bin       cmd     lib   xmpl.c
 DSC.NEW                     chaosnet  cmtest  mail  xmpl.o
 classe de banco de dados    dev mbox  xmpl.out

e a entrada é

 % vi ch<escape>

O csh completará o prefixo ” ch ” com o único nome de arquivo correspondente ” chaosnet “, alterando a linha de entrada para

  % vi chaosnet

No entanto, dado

  % vi D <escapa>

O csh expandirá apenas a entrada para

  % vi DSC.

e tocará a campainha do terminal para indicar que a expansão está incompleta, pois há dois nomes de arquivos correspondentes ao prefixo D.

Se um nome de arquivo parcial for seguido pelo caractere de fim de arquivo (geralmente control-D ), em vez de completar o nome, o csh listará todos os nomes de arquivos correspondentes ao prefixo. Por exemplo, a entrada

  % vi D <control-D>

faz com que todos os arquivos começando com D sejam listados:

  DSC.NEW DSC.OLD

enquanto a linha de entrada permanece inalterada.

O mesmo sistema de escape e final de arquivo também pode ser usado para expandir nomes de usuário parciais, se a palavra a ser concluída (ou listada) começar com o caractere til ( ~ ). Por exemplo, digitando

  cd ~ ro <escape>

pode produzir a expansão

  cd ~ root

O uso da campainha do terminal para sinalizar erros ou várias correspondências pode ser inibido configurando a variável nobeep .

Normalmente, todos os arquivos no diretório específico são candidatos à conclusão do nome. Arquivos com certos sufixos podem ser excluídos da consideração, definindo a variável fignore na lista de sufixos a serem ignorados. Portanto, se fignore for definido pelo comando

  % set fignore = (.o .out)

então digitando

  % vi x <escape>

resultaria na conclusão de

  % vi xmpl.c

ignorando os arquivos ” xmpl.o ” e ” xmpl.out “. No entanto, se a única conclusão possível exigir não ignorar esses sufixos, eles não serão ignorados. Além disso, o fignore não afeta a lista de nomes de arquivos pelo controle-D . Todos os arquivos são listados independentemente de seus sufixos.

Substituições da História

As substituições do histórico colocam as palavras da entrada de comando anterior como partes de novos comandos, facilitando a repetição de comandos, a repetição de argumentos de um comando anterior no comando atual ou a correção de erros ortográficos no comando anterior com pouca digitação e alto grau de confiança. As substituições da história começam com o personagem ! e pode começar em qualquer lugar do fluxo de entrada (desde que não sejam aninhados). Isso ! pode ser precedido por a \ para impedir seu significado especial; por conveniência, a ! O caractere é passado inalterado quando é seguido por um espaço em branco, tab, nova linha, = ou ( . As substituições do histórico também ocorrem quando uma linha de entrada começa com ^ . Essa abreviação especial é descrita abaixo. Qualquer linha de entrada que contenha substituição do histórico é ecoada no terminal antes de ser executado, pois teria sido digitado sem substituição do histórico.

Os comandos de entrada do terminal que consistem em uma ou mais palavras são salvos na lista de histórico. As substituições do histórico reintroduzem sequências de palavras desses comandos salvos no fluxo de entrada. O tamanho da lista do histórico é controlado pela variável do histórico ; o comando anterior é sempre mantido, independentemente do valor da variável do histórico . Os comandos são numerados sequencialmente a partir de 1 .

Considere a seguinte saída do comando history :

  09 escrever michael
 10 ex write.c
 11 cat oldwrite.c
 12 diff * write.c

Os comandos são mostrados com seus números de eventos. Geralmente, não é necessário usar números de eventos, mas o número do evento atual pode fazer parte do prompt, colocando a ! na sequência de prompt.

Com o evento atual 13 , podemos nos referir a eventos anteriores pelo número do evento ! 11 , relativamente como em ! -2 (referindo-se ao mesmo evento), por um prefixo de uma palavra de comando como em ! D para o evento 12 ou ! Wri for event 9 ou por uma sequência contida em uma palavra no comando como em !? Mic? também se referindo ao evento 9 . Esses formulários, sem alterações adicionais, reintroduzem as palavras dos eventos especificados, cada um separado por um único espaço em branco. Como um caso especial, !! refere-se ao comando anterior; assim !! sozinho é um re-fazer.

Para selecionar palavras de um evento, podemos seguir a especificação do evento por : e um designador para as palavras desejadas. As palavras de uma linha de entrada são numeradas de 0 , a primeira (geralmente comando) é 0 , a segunda (primeiro argumento) é 1 , etc. Os designadores básicos de palavras são:

0 0primeira palavra (comando)
nargumento n
^primeiro argumento; ou seja, ‘1’
$último argumento
%palavra correspondida por (imediatamente anterior)? s? procurar
x  yintervalo de palavras
 yabrevia ‘ 0- y ‘
*abrevia ‘ ^ – $ ‘ ou nada se houver apenas 1 palavra no evento
x *abrevia ‘ x – $ ‘
x como ‘ x * ‘, mas omitindo a palavra ‘ $ ‘

: separando a especificação do evento do designador de palavras pode ser omitido se o seletor de argumentos começar com ^ , $ , * ,  ou % . Após o designador opcional de palavras, uma sequência de modificadores pode ser colocada, cada uma precedida por um :. Os seguintes modificadores estão definidos:

hRemova um componente de nome de caminho à direita, deixando a cabeça.
rRemova um componente ‘.xxx’ à direita, deixando o nome raiz.
eRemova todos, exceto a parte da extensão ‘.xxx’.
s / l / r /Substitua l por r .
tRemova todos os principais componentes do nome do caminho, deixando a cauda.
&Repita a substituição anterior.
gAplique a alteração uma vez em cada palavra, prefixando o acima; por exemplo, ‘g &’.
uAplique a alteração o máximo de vezes possível em uma única palavra, prefixando a acima. Pode ser usado junto com ‘g’ para aplicar uma substituição globalmente.
pImprima a nova linha de comando, mas não a execute.
qCite as palavras substituídas, impedindo novas substituições.
xComo ‘ q ‘, mas divida em palavras em espaços em branco, guias e novas linhas.

A menos que seja precedido por g, a alteração é aplicada apenas à primeira palavra modificável. Com substituições, é um erro que nenhuma palavra seja aplicável.

O lado esquerdo das substituições não são expressões regulares no sentido dos editores, mas cadeias de caracteres. Qualquer caractere pode ser usado como delimitador no lugar de / ; \ cita o delimitador nas cadeias l e r . O caractere & no lado direito é substituído pelo texto da esquerda. \ também cita & . Um NULL l ( // ) usa a string anterior de um l ou de uma string de varredura contextual s in !? S \? . O delimitador à direita na substituição pode ser omitido se uma nova linha seguir imediatamente, assim como a à direita ? em uma varredura contextual.

Uma referência de histórico pode ser fornecida sem uma especificação de evento; por exemplo ,! $ . Aqui, a referência é ao comando anterior, a menos que uma referência de histórico anterior tenha ocorrido na mesma linha, caso em que este formulário repete a referência anterior. Assim, ” !? Foo? ^! $ ” Fornece o primeiro e o último argumento do comando correspondente a ” ? Foo? “.

Uma abreviação especial de uma referência de histórico ocorre quando o primeiro caractere não em branco de uma linha de entrada é ^ . Isso é equivalente a ” !: S ^ “, fornecendo uma abreviação conveniente para substituições no texto da linha anterior. Assim, ^ lb ^ lib corrige a ortografia de ” lib ” no comando anterior. Finalmente, uma substituição de histórico pode ser cercada com { e }, se necessário, para isolá-la dos caracteres a seguir. Assim, depois de ls -ld ~ paul , poderíamos fazer ! {L} a fazer ls -ld ~ paula , enquanto ! La procuraria um comando começando com ” la “.

Citações com ´ e “

A citação de strings por  e  pode ser usada para impedir todas ou algumas das substituições restantes. Strings entre  são impedidos de qualquer interpretação adicional. Strings entre  podem ser expandidos conforme descrito abaixo.

Nos dois casos, o texto resultante se torna (no todo ou em parte) uma única palavra; somente em um caso especial (consulte Substituição de Comando , abaixo) uma  cadeia de caracteres citada produz partes de mais de uma palavra; ‘as cadeias de caracteres citadas nunca produzem.

Substituição de alias

O shell mantém uma lista de aliases que podem ser estabelecidos, exibidos e modificados pelos comandos alias e unalias . Após a varredura de uma linha de comando, ela é analisada em comandos distintos e a primeira palavra de cada comando, da esquerda para a direita, é verificada para ver se possui um alias. Caso isso aconteça, o texto que é o alias para esse comando é relido com o mecanismo de histórico disponível como se esse comando fosse a linha de entrada anterior. As palavras resultantes substituem a lista de comandos e argumentos. Se nenhuma referência for feita à lista de histórico, a lista de argumentos permanecerá inalterada.

Portanto, se o alias para ” ls ” for ” ls -l “, o comando ls / usr seria mapeado para ls -l / usr , a lista de argumentos aqui não será perturbada. Da mesma forma, se o alias de ” pesquisa ” fosse ” grep! ^ / Etc / passwd “, a conta de pesquisa seria mapeada para grep bill / etc / passwd .

Se um alias for encontrado, a transformação da palavra do texto de entrada é executada e o processo de alias começa novamente na linha de entrada reformada. O loop é impedido se a primeira palavra do novo texto for a mesma que a antiga, sinalizando-a para evitar aliases adicionais. Outros loops são detectados e causam um erro.

Observe que o mecanismo permite que os aliases introduzam o analisador “metasyntax”. Assim, podemos também imprimir ‘pr \! * | lpr ‘ para fazer um comando que apresenta seus argumentos para a impressora de linha.

Substituição Variável

O shell mantém um conjunto de variáveis, cada uma das quais tem como valor uma lista de zero ou mais palavras. Algumas dessas variáveis ​​são definidas pelo shell ou mencionadas por ele. Por exemplo, a variável argv mantém a lista de argumentos do shell, e as palavras do valor dessa variável são mencionadas de maneiras especiais.

Os valores das variáveis ​​podem ser exibidos e alterados usando os comandos set e unsetet. Das variáveis ​​referidas pelo shell, um número é alternado; o shell não se importa com o seu valor, apenas se eles estão definidos ou não. Por exemplo, a variável detalhada é uma alternância que faz com que a entrada do comando seja ecoada. A configuração dessa variável resulta da opção de linha de comando -v .

Outras operações tratam variáveis ​​numericamente. O comando @ permite que cálculos numéricos sejam executados e o resultado atribuído a uma variável. Os valores variáveis ​​são, no entanto, sempre representados como (zero ou mais) cadeias. Para fins de operações numéricas, a cadeia nula é considerada zero e a segunda e outras palavras dos valores de várias palavras são ignoradas.

Depois que a linha de entrada é alterada e analisada, e antes de cada comando ser executado, a substituição de variável é executada, digitada por $ caracteres. Essa expansão pode ser evitada precedendo o $ com a \, exceto entre aspas duplas (  ), onde a substituição sempre ocorre, e entre aspas simples (  ), onde nunca ocorre. As strings citadas por backticks ( ` ` ) são interpretadas posteriormente ( consulte Substituição de comando , abaixo), para que a substituição de $ não ocorra até mais tarde, se for o caso .. Um $ é passado inalterado se seguido por um espaço em branco, tabulação ou fim de linha.

Os redirecionamentos de entrada / saída são reconhecidos antes da expansão variável e são expandidos separadamente. Caso contrário, o nome do comando e a lista de argumentos inteira serão expandidos juntos. Portanto, é possível que a primeira palavra (comando) (até este ponto) gere mais de uma palavra, a primeira se tornando o nome do comando e o restante se tornando argumentos.

A menos que inclua  ou receba o modificador : q , os resultados da substituição de variável podem eventualmente ser substituídos por comando e nome de arquivo. Dentro de  , uma variável cujo valor consiste em várias palavras se expande para (uma parte de) uma única palavra, com as palavras de o valor da variável separado por espaços em branco. Quando o modificador : q é aplicado a uma substituição, a variável será expandida para várias palavras, com cada palavra separada por um espaço em branco e entre aspas para impedir a substituição posterior de comandos ou nomes de arquivos.

As seguintes metasequências são fornecidas para a introdução de valores variáveis ​​na entrada do shell. Exceto como observado, é um erro referenciar uma variável que não está definida.

$ name

$ { name }

São substituídos pelas palavras do valor do nome da variável, cada uma separada por um espaço em branco. As chaves isolam o nome dos seguintes caracteres que de outra forma seriam parte dele. As variáveis ​​do shell têm nomes que consistem em até 20 letras e dígitos começando com uma letra. O caractere sublinhado é considerado uma letra. Se o nome não for uma variável do shell, mas for definido no ambiente, esse valor será retornado (mas : modificadores e os outros formulários fornecidos abaixo não estarão disponíveis aqui).
$ name [ seletor ]

$ { nome [ seletor ]}

Pode ser usado para selecionar apenas algumas das palavras do valor do nome . seletor está sujeito à substituição de $ e pode consistir em um único número ou dois números separados por um  . A primeira palavra do valor de uma variável é numerada 1 . Se o primeiro número de um intervalo for omitido, o padrão será 1 . Se o último número de um intervalo for omitido, o padrão será $ # name . seletor * seleciona todas as palavras. Não é um erro que um intervalo fique vazio se o segundo argumento for omitido ou estiver dentro do intervalo.
$ # name

$ {# name }

Dá o número de palavras na variável. Isso é útil para uso posterior em um ” $ argv [ selector ] “.
$ 0Substitui o nome do arquivo a partir do qual a entrada do comando está sendo lida. Ocorre um erro se o nome não for conhecido.
número $

$ { number }

Equivalente a ” $ argv [ number ] “.
$ *Equivalente a ” $ argv [*] “.

Os modificadores : e ,: h,: t ,: r ,: q e : x podem ser aplicados às substituições acima da seguinte maneira : gh,: gt e : gr . Se chaves { } aparecerem no formulário de comando, os modificadores deverão aparecer dentro das chaves. A implementação atual permite apenas um : modificador em cada expansão de $ .

As seguintes substituições não podem ser modificadas por : modifiers.

$? nome

$ {? nome }

Substitui a string ” 1 ” se o nome estiver definido, ” 0 ” se não estiver.
$? 0Substitui 1 se o nome do arquivo de entrada atual for conhecido, 0 se não for.
$$Substitua o número do processo (decimal) do shell (pai). NÃO use esse mecanismo para gerar nomes de arquivos temporários; veja mktemp .
$!Substitua o número do processo (decimal) do último processo em segundo plano iniciado por este shell.
$ <Substitui uma linha da entrada padrão, sem interpretação adicional. Pode ser usado para ler o teclado em um script de shell.

Substituição de comando e nome de arquivo

As substituições restantes, substituição de comando e nome de arquivo, são aplicadas seletivamente aos argumentos dos comandos internos. Aqui, “seletivamente” significa que partes de expressões que não são avaliadas não estão sujeitas a essas expansões. Para comandos que não são internos ao shell, o nome do comando é substituído separadamente da lista de argumentos. Isso ocorre muito tarde, após o redirecionamento de entrada e saída ser executado e em um filho do shell principal.

Substituição de Comando

A substituição de comando é mostrada por um comando incluído em ` . A saída desse comando normalmente é dividida em palavras separadas em espaços em branco, guias e novas linhas, com palavras nulas sendo descartadas; esse texto substitui a sequência original. Entre aspas duplas (  ), apenas as novas linhas forçam novas palavras; os espaços em branco e as guias são preservados.

De qualquer forma, a nova linha final única não força uma nova palavra. Observe que, portanto, é possível que uma substituição de comando produza apenas parte de uma palavra, mesmo que o comando produza uma linha completa.

Substituição de nome de arquivo

Se uma palavra contiver algum dos caracteres * ,? [ , ou { , ou começa com o caractere ~ , então essa palavra é candidata à substituição de nome de arquivo, também conhecida como ” globbing “. Essa palavra é considerada um padrão e substituída por uma lista classificada alfabeticamente de nomes de arquivos que correspondem ao padrão. Em uma lista de palavras que especificam a substituição do nome do arquivo, é um erro que nenhum padrão corresponda a um nome de arquivo existente, mas não é necessário que cada padrão corresponda. Apenas os metacaracteres * ,? , e [ implica correspondência de padrão, os caracteres ~ e { são mais parecidos com abreviações.

Nos nomes de arquivos correspondentes, o personagem . no início de um nome de arquivo ou imediatamente após um / , bem como o caractere / deve ser correspondido explicitamente. O caractere * corresponde a qualquer sequência de caracteres, incluindo a sequência nula. O personagem ? corresponde a qualquer caractere único.

A sequência ” [ … ] ” corresponde a qualquer um dos caracteres incluídos. Dentro de ” [ … ] “, um par de caracteres separados por  corresponde a qualquer caractere lexicamente entre os dois (inclusive). Dentro de ” [ … ] “, o nome de uma classe de caractere entre [: e :] representa a lista de todos os caracteres pertencentes a essa classe. Classes de caracteres suportadas:

  • alnum
  • alfa
  • em branco
  • cntrl
  • dígito
  • gráfico
  • mais baixo
  • impressão
  • espaço
  • superior
  • pontual
  • xdigit

Eles correspondem aos caracteres usando as macros especificadas no ctype . Uma classe de caracteres não pode ser usada como um ponto final de um intervalo.

O caractere ~ no início de um nome de arquivo se refere aos diretórios pessoais. Sozinho, ou seja, ~ , ele se expande para o diretório inicial do chamador, conforme refletido no valor da variável inicial. Quando seguido por um nome que consiste em letras, dígitos e caracteres  , o shell procura um usuário com esse nome e substitui o diretório inicial; portanto, ” ~ ken ” pode se expandir para ” / usr / ken ” e ” ~ ken / chmach ” para ” / usr / ken / chmach “. Se o caractere ~ for seguido por um caractere que não seja uma letra ou / ou não aparecer no início de uma palavra, ele será deixado inalterado.

A metanotação ” a {b, c, d} e ” é uma abreviação de ” abe ace ade “. A ordem da esquerda para a direita é preservada, com os resultados das correspondências sendo classificados separadamente em um nível baixo para preservar essa ordem. Essa construção pode ser aninhada . Portanto, ” ~ source / s1 / {oldls, ls} .c ” se expande para ” /usr/source/s1/oldls.c /usr/source/s1/ls.c ” sem chance de erro se o diretório inicial para ” fonte “é” / usr / fonte “. Da mesma forma, ” ../{memo,*box} ” pode ser expandido para ” ../memo ../box ../mbox “. Observe que ” memorando ” não foi classificado com os resultados da correspondência para ” * caixa “. Como um caso especial, { , } e {} são passados ​​imperturbáveis.

Entrada / saída

A entrada padrão e a saída padrão de um comando podem ser redirecionadas com a seguinte sintaxe:

< nomeAbra o nome do arquivo (que é a primeira variável, comando e nome do arquivo expandido) como a entrada padrão.
<< palavraLeia a entrada do shell até uma linha idêntica à palavra . palavra não está sujeita à substituição de variável, comando ou nome de arquivo e cada linha de entrada é comparada à palavra antes que qualquer substituição seja feita na linha de entrada. A menos que uma citação \ ,  ,  ou` apareça na palavra , a substituição de variável e comando é executada nas linhas intermediárias, permitindo que \ cite $ , \ e ` . Os comandos substituídos têm todos os espaços em branco, guias e novas linhas preservados, exceto para a nova linha final que é descartada.O texto resultante é colocado em um arquivo temporário anônimo que é fornecido ao comando como sua entrada padrão.
> nome

>! nome

>> & nome

>> &! nome

nome do arquivo é usado como saída padrão. Se o arquivo não existir, ele será criado; se o arquivo existir, ele será truncado; seu conteúdo anterior é perdido.

Se a variável noclobber estiver configurada, o arquivo não deverá existir ou ser um arquivo especial de caractere (por exemplo, um terminal ou / dev / null ) ou ocorrerá um erro. Isso ajuda a evitar a destruição acidental de arquivos. Aqui, o ! formulários podem ser usados ​​para suprimir essa verificação.

Os formulários que envolvem e direcionam a saída de erro padrão para o arquivo especificado, bem como a saída padrão. O nome é expandido da mesma maneira que < nomes de arquivos de entrada.

>> nome

>> & nome

>>! nome

>> &! nome

Usa o nome do arquivo como saída padrão; como > mas coloca a saída no final do arquivo. Se a variável noclobber estiver definida, será um erro o arquivo não existir, a menos que um dos ! formulários é dado. Caso contrário, semelhante a > .

Um comando recebe o ambiente no qual o shell foi chamado conforme modificado pelos parâmetros de entrada e saída e a presença do comando em um pipeline. Assim, diferentemente de alguns shells anteriores, os comandos executados a partir de um arquivo de comandos shell não têm acesso ao texto dos comandos por padrão; em vez disso, eles recebem a entrada padrão original do shell. O mecanismo << deve ser usado para apresentar dados embutidos. Isso permite que os scripts de comando do shell funcionem como componentes de pipelines e permite que o shell bloqueie a leitura de sua entrada. Observe que a entrada padrão padrão para uma execução de comando desanexada não é modificada para ser o arquivo vazio / dev / null ; em vez disso, a entrada padrão permanece como a entrada padrão original do shell. Se este for um terminal e se o processo tentar ler no terminal, o processo será bloqueado e o usuário será notificado (consulte Trabalhos acima).

A saída de erro padrão pode ser direcionada através de um tubo com a saída padrão. Use o formulário | & em vez de apenas | .

Expressões

Vários dos comandos internos (a serem descritos posteriormente) usam expressões, nas quais os operadores são semelhantes aos de C, com a mesma precedência, mas com o agrupamento oposto: da direita para a esquerda. Essas expressões aparecem nos comandos @ , exit , if e while . Os seguintes operadores estão disponíveis:

  • ||
  • &&
  • |
  • &
  • ==
  • ! =
  • = ~
  • ! ~
  • <=
  • > =
  • <
  • >
  • <<
  • >>
  • +
  • *
  • /
  • %
  • !
  • ~
  • (
  • )

Aqui a precedência aumenta na lista, com == ! = = ~ E ! ~ , <=> = < E > , << e >> , + e  , * / e % estando, em grupos, no mesmo nível . Os operadores == ! = = ~ E ! ~ Comparam seus argumentos como strings; todos os outros operam em números. Os operadores = ~ e ! ~ São como ! = E == exceto que o lado direito é um padrão (contendo, por exemplo, * ‘s ,? ‘ E instâncias de ” […] “) contra os quais o O operando esquerdo é correspondido. Isso reduz a necessidade de uso da instrução switch nos scripts de shell quando tudo o que é realmente necessário é a correspondência de padrões.

Seqüências de caracteres que começam com 0 são consideradas números octais . Argumentos nulos ou ausentes são considerados 0 . Os resultados de todas as expressões são cadeias, que representam números decimais . É importante observar que nenhum componente de uma expressão pode aparecer na mesma palavra; exceto quando adjacentes a componentes de expressões que são sintaticamente significantes para o analisador ( & , | , < , > , ( e ) ), eles devem estar cercados por espaços.

Também estão disponíveis em expressões como operandos primitivos as execuções de comandos incluídas em { and } e as consultas de arquivo do formulário -l name em que l é um dos seguintes:

racesso de leitura
Wacesso de gravação
xexecutar acesso
eexistência
opropriedade
ztamanho zero
farquivo simples
ddiretório

O nome especificado é comando e nome do arquivo expandido e testado para verificar se ele possui o relacionamento especificado com o usuário real. Se o arquivo não existir ou estiver inacessível, todas as consultas retornarão false , ou seja, 0 . As execuções de comando são bem-sucedidas, retornando true, ou seja, 1 , se o comando sair com o status 0 , caso contrário, elas falham, retornando false, ou seja, 0 . Se informações de status mais detalhadas forem necessárias, o comando deverá ser executado fora de uma expressão e o status da variável examinado.

Controle de fluxo

O shell contém vários comandos que podem ser usados ​​para regular o fluxo de controle nos arquivos de comando (scripts de shell) e (de maneiras limitadas, mas úteis) da entrada do terminal. Todos esses comandos operam forçando o shell a reler ou ignorar sua entrada e, devido à implementação, restringir o posicionamento de alguns dos comandos.

As instruções foreach , switch e while , bem como a forma if-then-else da instrução if exigem que as principais palavras-chave apareçam em um único comando simples em uma linha de entrada, como mostrado abaixo.

Se a entrada do shell não for procurável, o shell armazena em buffer a entrada sempre que um loop está sendo lido e realiza buscas nesse buffer interno para realizar a releitura implícita no loop. Na medida em que isso permitir, os gotos anteriores terão êxito em insumos não procuráveis.

Comandos internos

Comandos internos são executados dentro do shell. Se um comando interno ocorrer como qualquer componente de um pipeline, exceto o último, ele será executado em um sub-shell.

alias

alias name

alias name wordlist

O primeiro formulário imprime todos os aliases. O segundo formulário imprime o alias do nome . O formulário final atribui a lista de palavras especificada como o alias do nome ; wordlist é substituído por comando e nome de arquivo. nome não pode ser “alias” ou “unalias”.
allocMostra a quantidade de memória dinâmica adquirida, dividida em memória usada e livre. Com um argumento mostra o número de blocos gratuitos e usados ​​em cada categoria de tamanho. As categorias começam no tamanho 8 e dobram em cada etapa. A saída deste comando pode variar entre os tipos de sistema, pois sistemas diferentes do VAX podem usar um alocador de memória diferente.
bg

bg %job …

Coloca os trabalhos atuais ou especificados em segundo plano, continuando-os se eles foram parados.
breakFaz com que a execução seja retomada após o final do foreach mais próximo ou durante o encerramento. Os comandos restantes na linha atual são executados. Assim, são possíveis quebras em vários níveis, escrevendo-as todas em uma linha.
breakswCausa uma interrupção em um switch , retomando após o término .
case label:Um rótulo em uma instrução switch , conforme discutido abaixo.
cd

cd name

chdir

chdir name

Mude o diretório de trabalho do shell para o nome do diretório. Se nenhum argumento for fornecido, mude para o diretório inicial do usuário. Se o nome não for encontrado como um subdiretório do diretório atual (e não começar com / , ./ ou ../ ), cada componente da variável cdpath será verificado para verificar se ele possui um nome de subdiretório. Finalmente, se tudo mais falhar, mas name é uma variável do shell cujo valor começa com / , é tentado verificar se é um diretório.
continueContinue a execução do mais próximo enquanto fechado ou foreach . O restante dos comandos na linha atual é executado.
default:Rotula o caso padrão em uma instrução switch. O padrão deve vir depois de todos os rótulos de caso.
dirsImprime a pilha de diretórios; a parte superior da pilha está à esquerda, o primeiro diretório da pilha sendo o diretório atual.
echo wordlist

echo -n wordlist

As palavras especificadas são gravadas na saída padrão do shell, separadas por espaços e finalizadas com uma nova linha, a menos que a opção -n seja especificada.
else

end

endif

endsw

Veja a descrição das instruções foreach , if , switch e while abaixo.
eval arg …Imita eval em sh : os argumentos são lidos como entrada para o shell e os comandos resultantes executados no contexto do shell atual. Isso geralmente é usado para executar comandos gerados como resultado de substituição de comando ou variável, pois a análise ocorre antes dessas substituições. Consulte o manual do tset para obter um exemplo do uso de eval .
exec commandO comando especificado é executado no lugar do shell atual.
exit

exit (expr)

O shell sai com o valor da variável de status (primeira forma) ou com o valor da expr especificada (segunda forma).
fg

fg %job …

Coloca os trabalhos atuais ou especificados em primeiro plano, continuando-os se eles foram parados.
foreach name (wordlist)

end
O nome da variável é definido sucessivamente para cada membro da lista de palavras e a sequência de comandos entre esse comando e o final correspondente é executada. Foreach e end devem aparecer sozinhos em linhas separadas. O comando interno continue pode ser usado para continuar prematuramente o loop e o comando interno interrompe-o para finalizá-lo prematuramente. Quando esse comando é lido no terminal, o loop é lido uma vez solicitando ? antes que quaisquer instruções no loop sejam executadas. Se você cometer um erro ao digitar um loop no terminal, poderá apagá-lo.
glob wordlistComo eco, mas \ escapes são reconhecidos e as palavras são delimitadas por caracteres NUL na saída. Útil para programas que desejam usar o shell para nomear um nome de arquivo e expandir uma lista de palavras.
goto wordpalavra especificada é nome do arquivo e comando expandido para gerar uma sequência do rótulo do formulário. O shell rebobina sua entrada o máximo possível e procura uma linha no formato ” label: “, possivelmente precedida por espaços em branco ou tabulações. A execução continua após a linha especificada.
hashstatImprima uma linha de estatística mostrando a eficácia da tabela hash interna na localização de comandos (e na execução de execs ). É executado um exec para cada componente do caminho em que a função hash indica uma possível ocorrência e em cada componente que não começa com um / .
history

history n

history -h n

history -r n

Exibe a lista de eventos do histórico; se n for fornecido, apenas os n eventos mais recentes serão impressos. A opção -h faz com que a lista do histórico seja impressa sem números iniciais. Esse formato produz arquivos adequados para a fonte usando a opção -h para a fonte. A opção -r reverte a ordem da impressão para que seja a mais recente primeiro, e não a mais antiga primeiro.
if (expr) commandSe a expressão especificada for avaliada como verdadeira , o comando único com argumentos será executado. A substituição variável no comando acontece mais cedo, ao mesmo tempo que ocorre no restante do comando if . O comando deve ser um comando simples, não um pipeline, uma lista de comandos ou uma lista de comandos entre parênteses. O redirecionamento de entrada / saída ocorre mesmo que expr seja falso , ou seja, quando o comando não é executado (na verdade, isso é um bug).
if (expr) then

else if (expr2) then

else

endif
Se o expr especificado for verdadeiro , os comandos até o primeiro serão executados; caso contrário, se expr2 for verdadeiro , os comandos até o segundo resto serão executados, etc. Qualquer número de pares else-if é possível; apenas um endif é necessário. outra parte é igualmente opcional. As palavras else e endif devem aparecer no início das linhas de entrada; if deve aparecer sozinho em sua linha de entrada ou depois de um outro .
jobs

jobs -l

Lista os trabalhos ativos; a opção -l lista os IDs de processo, além das informações normais.
kill %job

kill [-s signal_namepid

kill -sig pid …

kill -l [exit_status

Envia o sinal SIGTERM (finalizar) ou o sinal especificado para os trabalhos ou processos especificados. Os sinais são dados por número ou por nomes (conforme indicado em ignsignal.h⟩ , sem o prefixo ” SIG “). Os nomes dos sinais são listados por ” kill -l “; se um exit_status for especificado, apenas o nome do sinal correspondente será gravado. Não há padrão; apenas dizer ” matar ” não envia um sinal para o trabalho atual. Se o sinal que está sendo enviado for SIGTERM (encerrar) ou SIGHUP (interromper), o trabalho ou processo também receberá um sinal SIGCONT (continuar).
limit

limit resource

limit resource maximum-use

limit -h

limit -h resource

limit -h resource maximum-use

Limita o consumo pelo processo atual e cada processo criado para não exceder individualmente o uso máximo no recurso especificado. Se nenhum uso máximo for fornecido, o limite atual será impresso; se nenhum recurso for fornecido, todas as limitações serão fornecidas. Se o sinalizador -h for fornecido, os limites físicos serão usados ​​em vez dos limites atuais. Os limites rígidos impõem um teto aos valores dos limites atuais. Somente o superusuário pode aumentar os limites físicos, mas um usuário pode diminuir ou aumentar os limites atuais dentro do intervalo legal.

Os recursos controláveis ​​atualmente incluem:

cputime : o número máximo de segundos de CPU a ser usado por cada processo.

filesize : o maior arquivo único (em bytes) que pode ser criado.

datasize : o crescimento máximo da região data + stack via sbrk além do final do texto do programa.

tamanho da pilha: o tamanho máximo da região da pilha estendida automaticamente.

coredumpsize : o tamanho do maior dump principal (em bytes ) que será criado.

memoryuse : o tamanho máximo (em bytes) para o qual o tamanho do conjunto residente (RSS) de um processo pode aumentar.

memorylocked : O tamanho máximo (em bytes) que um processo pode travar na memória usando a função mlock .

maxproc : o número máximo de processos simultâneos para esse ID do usuário.

openfiles : o número máximo de arquivos abertos simultâneos para esse ID do usuário.

vmemoryuse : o tamanho máximo (em bytes) para o qual o tamanho total de um processo pode aumentar.

uso máximo pode ser dado como um número ( ponto flutuante ou inteiro) seguido por um fator de escala. Para todos os limites que não sejam cputime, a escala padrão é k ou ” kilobytes ” ( 1024 bytes ); um fator de escala de m ou ” megabytes ” também pode ser usado. Para cputime, a escala padrão é ” segundos “; também pode ser usado um fator de escala de m por minutos ou h por horas, ou um tempo no formato ” mm: ss ” que fornece minutos e segundos.

Para nomes de recursos e fatores de escala, prefixos inequívocos dos nomes são suficientes.

loginEncerre um shell de login, substituindo-o por uma instância de / usr / bin / login . Esta é uma maneira de fazer logoff, incluída para compatibilidade com sh .
logoutEncerre um shell de login. Especialmente útil se ignoreeof estiver definido.
nice

nice +number

nice command

nice +number command

O primeiro formulário define a prioridade de agendamento para este shell como 4 . O segundo formulário define a prioridade para o número fornecido. Os dois formulários finais executam o comando com prioridade 4 e número, respectivamente. Quanto maior o número, menos CPU o processo terá. O superusuário pode especificar prioridade negativa usando ” nice -number … “. O comando é sempre executado em um sub-shell, e as restrições impostas aos comandos são simples se as instruções se aplicam.
nohup

comando nohup

O primeiro formulário pode ser usado em scripts de shell para fazer com que as interrupções sejam ignoradas pelo restante do script. O segundo formulário faz com que o comando especificado seja executado com os interruptores ignorados. Todos os processos destacados com & são efetivamente não armazenados em cache.
notify

notify %job …

Faz com que o shell notifique o usuário de forma assíncrona quando o status dos trabalhos atuais ou especificados mudar; normalmente a notificação é apresentada antes de um prompt. Isso é automático se a variável de shell notificar estiver configurada.
onintr

onintr –

etiqueta onintr

Controlar a ação do shell em interrupções. O primeiro formulário restaura a ação padrão do shell nas interrupções, que é finalizar os scripts do shell ou retornar ao nível de entrada do comando do terminal. A segunda forma onintr – faz com que todas as interrupções sejam ignoradas. A forma final faz com que o shell execute um rótulo goto quando uma interrupção é recebida ou um processo filho termina porque foi interrompido.

De qualquer forma, se o shell estiver executando desanexado e as interrupções estiverem sendo ignoradas, todas as formas de onintr não terão significado e as interrupções continuarão sendo ignoradas pelo shell e por todos os comandos invocados. Finalmente, as instruções onintr são ignoradas nos arquivos de inicialização do sistema em que as interrupções estão desabilitadas ( /etc/csh.cshrc , /etc/csh.login ).

popd

popd + n

Aparece na pilha de diretórios, retornando ao novo diretório superior. Com o argumento ” + n “, descarta a enésima entrada na pilha. Os membros da pilha de diretórios são numerados a partir do topo, começando em 0 .
pushd

nome pushd

pushd + n

Sem argumentos, pushd troca os dois principais elementos da pilha de diretórios. Dado um argumento de nome , pushd muda para o novo diretório (ala cd ) e envia o diretório de trabalho atual antigo (como em pwd ) para a pilha de diretórios. Com um argumento numérico, pushd gira o nésimo argumento da pilha de diretórios para ser o elemento superior e muda para ele. Os membros da pilha de diretórios são numerados a partir do topo, começando em 0 .
refazerCauses the internal hash table of the contents of the directories in the path variable to be recomputed. This is needed if new commands are added to directories in the path while you are logged in. This should only be necessary if you add commands to one of your directories, or if a systems programmer changes the contents of a system directory.
repeat count commandThe specified command , which is subject to the same restrictions as the command in the one line if statement above, is executed count times. I/O redirections occur exactly once, even if count is 0 .
set

set name

set name = word

set name [ index ] = word

set name = ( wordlist )

The first form of the command shows the value of all shell variables. Variables that have other than a single word as their value print as a parenthesized word list. The second form sets name to the null string. The third form sets name to the single word. The fourth form sets the index ‘th component of name to word; this component must already exist. The final form sets name to the list of words in wordlist . The value is always command and filename expanded.

These arguments may be repeated to set multiple values in a single set command. Note however, that variable expansion happens for all arguments before any setting occurs.

setenv

setenv name

setenv name value

The first form lists all current environment variables. It is equivalent to printenv . The last form sets the value of environment variable name to be value, a single string. The second form sets name to an empty string. The most commonly used environment variables USER , TERM , and PATH are automatically imported to and exported from the csh variables user , term , and path ; there is no need to use setenv for these.
shift

shift variable

The members of argv are shifted to the left, discarding argv[1] . It is an error for argv not to be set or to have less than one word as value. The second form performs the same function on the specified variable .
source name

source -h name

The shell reads commands from name . source commands may be nested; if they are nested too deeply the shell may run out of file descriptors. An error in a source at any level terminates all nested source commands. Normally input during source commands is not placed on the history list; the -h option causes the commands to be placed on the history list without being executed.
stop

stop %job …

Pára os atuais ou especificados empregos que estão em execução em segundo plano.
suspendFaz com que o shell para parar em suas faixas, tanto quanto se tivesse sido enviada uma parada sinal com ^ Z . Isso é usado com mais frequência para interromper shells iniciados por su .
switch (string)
case str1:

breaksw

default:

breaksw
endsw
Cada rótulo de caso é correspondido sucessivamente com a sequência especificada , que é o primeiro comando e o nome do arquivo expandido. Os metacaracteres de arquivo * , ? e ” […] ” podem ser usados ​​nos rótulos dos casos , que são variáveis ​​expandidas. Se nenhum dos rótulos corresponder antes que o rótulo ” padrão ” seja encontrado, a execução começará após o rótulo padrão . Cada etiqueta de caso e a etiqueta padrão devem aparecer no início de uma linha. O comando breaksw faz com que a execução continue após o término . Caso contrário, o controle pode cairrótulos de maiúsculas e minúsculas e o rótulo padrão, como em C. Se nenhum rótulo corresponder e não houver padrão, a execução continuará após o final .
time

time command

Sem argumento, um resumo do tempo usado por esse shell e seus filhos é impresso. Se forem fornecidos argumentos, o comando simples especificado será cronometrado e um resumo de tempo, conforme descrito na variável de tempo , será impresso. Se necessário, um shell extra é criado para imprimir a estatística de tempo quando o comando é concluído.
umask

umask value

A máscara de criação de arquivo é exibida (primeiro formulário) ou definida como o valor especificado (segundo formulário). A máscara é dada em octal . Os valores comuns para a máscara são 002, dando todo o acesso ao grupo e acesso de leitura e execução a outros ou 022, dando todo o acesso, exceto o acesso de gravação para usuários no grupo ou em outros.
unalias pattern
Todos os aliases cujos nomes correspondem ao padrão especificado são descartados. Assim, todos os aliases são removidos por unalias * . Não é um erro que nada seja imparcial.
unhashO uso da tabela de hash interna para acelerar a localização dos programas executados está desativado.
unlimit

unlimit resource

unlimit -h

unlimit -h resource

Removes the limitation on resource . If no resource is specified, then all resource limitations are removed. If -h is given, the corresponding hard limits are removed. Only the superuser may do this.
unset patternAll variables whose names match the specified pattern are removed. Thus all variables are removed by unset * ; this has noticeably distasteful side-effects. It is not an error for nothing to be unset.
unsetenv patternRemoves all variables whose names match the specified pattern from the environment. See also the setenv command above and printenv .
esperarWait for all background jobs. If the shell is interactive, then an interrupt can disrupt the wait. After the interrupt, the shell prints names and job numbers of all jobs known to be outstanding.
which commandDisplays the resolved command that will be executed by the shell.
while (expr)

fim

While the specified expression evaluates to non-zero, the commands between the while and the matching end are evaluated. break and continue may be used to terminate or continue the loop prematurely. The while and end must appear alone on their input lines. Prompting occurs here the first time through the loop as for the foreach statement if the input is a terminal.
% jobBrings the specified job into the foreground.
% job &Continues the specified job in the background.
@

@ name = expr

@ name [ index ] = expr

The first form prints the values of all the shell variables. The second form sets the specified name to the value of expr . If the expression contains < , > , & or | then at least this part of the expression must be placed within ( ) . The third form assigns the value of expr to the index ‘th argument of name . Both name and its index ‘th component must already exist.

The operators *= , += , etc. are available as in C. The space separating the name from the assignment operator is optional. Spaces are, however, mandatory in separating components of expr , which would otherwise be single words.

Special postfix ++ and  operators increment and decrement name respectively; ie, ” @ i++ “.

Pre-defined and environment variables

The following variables have special meaning to the shell. Of these, argv , cwd , home , path , prompt , shell and status are always set by the shell. Except for cwd and status , this setting occurs only at initialization; these variables will not then be modified unless done explicitly by the user.

The shell copies the environment variable USER into the variable user , TERM into term , and HOME into home , and copies these back into the environment whenever the normal shell variables are reset. The environment variable PATH is likewise handled; it is not necessary to worry about its setting other than in the file .cshrc as inferior csh processes will import the definition of path from the environment, and re-export it if you then change it.

argvSet to the arguments to the shell, it is from this variable that positional parameters are substituted; ie, ” $1 ” is replaced by ” $argv[1] “, etc.
cdpathGives a list of alternate directories searched to find subdirectories in chdir commands.
cwdThe full pathname of the current directory.
ecoSet when the -x command-line option is given. Causes each command and its arguments to be echoed just before it is executed. For non-built-in commands all expansions occur before echoing. Built-in commands are echoed before command and filename substitution, since these substitutions are then done selectively.
filecEnable file name completion.
histcharsCan be given a string value to change the characters used in history substitution. The first character of its value is used as the history substitution character, replacing the default character ! . The second character of its value replaces the character ^ in quick substitutions.
histfileCan be set to the pathname where history is going to be saved/restored.
historyCan be given a numeric value to control the size of the history list. Any command that has been referenced in this many events will not be discarded. Too large values of history may run the shell out of memory. The last executed command is always saved on the history list.
homeThe home directory of the invoker, initialized from the environment. The filename expansion of ” ~ ” refers to this variable.
ignoreeofIf set the shell ignores end-of-file from input devices that are terminals. This prevents shells from accidentally being killed by control-D s.
mailThe files where the shell checks for mail. This checking is done after each command completion that will result in a prompt, if a specified interval has elapsed. The shell says “You have new mail.” if the file exists with an access time not greater than its modify time.

If the first word of the value of mail is numeric it specifies a different mail checking interval, in seconds, than the default, which is 10 minutes.

If multiple mail files are specified, then the shell says “New mail in name” when there is mail in the file name.

noclobberAs described in the section on Input/output, restrictions are placed on output redirection to ensure that files are not accidentally destroyed, and that >> redirections refer to existing files.
noglobIf set, filename expansion is inhibited. This inhibition is most useful in shell scripts that are not dealing with filenames, or after a list of filenames has been obtained and further expansions are not desirable.
nonomatchIf set, it is not an error for a filename expansion to not match any existing files; instead the primitive pattern is returned. It is still an error for the primitive pattern to be malformed; ie, ” echo [ ” still gives an error.
notifyIf set, the shell notifies asynchronously of job completions; the default is to present job completions just before printing a prompt.
pathEach word of the path variable specifies a directory in which commands are to be sought for execution. A null word specifies the current directory. If there is no path variable then only full path names will execute. The usual search path is ” . “, ” /bin “, ” /usr/bin “, ” /sbin ” and ” /usr/sbin “, but this may vary from system to system. For the superuser the default search path is ” /bin “, ” /usr/bin “, ” /sbin “, and ” /usr/sbin “. A shell that is given neither the -c nor the -t option will normally hash the contents of the directories in the path variable after reading .cshrc , and each time the path variable is reset. If new commands are added to these directories while the shell is active, it may be necessary to do a rehash or the commands may not be found.
promptThe string that is printed before each command is read from an interactive terminal input. If a ! appears in the string it will be replaced by the current event number unless a preceding \ is given. Default is ” % “, or ” # ” for the superuser.
savehistIs given a numeric value to control the number of entries of the history list that are saved in ~/.history when the user logs out. Any command that has been referenced in this many events will be saved. During start up the shell sources ~/.history into the history list enabling history to be saved across logins. Too large values of savehist will slow down the shell during start up. If savehist is just set, the shell will use the value of history .
ConchaThe file in which the shell resides. This variable is used in forking shells to interpret files that have execute bits set, but that are not executable by the system. See the description of Non-built-in command execution below. Initialized to the (system-dependent) home of the shell.
statusThe status returned by the last command. If it terminated abnormally, then 0200 is added to the status. Built-in commands that fail return exit status 1 , all other built-in commands set status to 0 .
timeControls automatic timing of commands. If set, then any command that takes more than this many CPU seconds will cause a line giving user, system, and real times, and a utilization percentage that is the ratio of user plus system times to real time to be printed when it terminates.
verboseSet by the -v command-line option, causes the words of each command to be printed after history substitution.

Non-built-in command execution

When a command to be executed is found to not be a built-in command the shell attempts to execute the command via execve . Each word in the variable path names a directory from which the shell will attempt to execute the command. If it is given neither a -c nor a -t option, the shell will hash the names in these directories into an internal table so that it will only try an exec in a directory if there is a possibility that the command resides there. This shortcut greatly speeds command location when many directories are present in the search path. If this mechanism has been turned off (via unhash ), or if the shell was given a -c or -t argument, and in any case for each directory component of path that does not begin with a / , the shell concatenates with the given command name to form a path name of a file which it then attempts to execute.

Parenthesized commands are always executed in a sub-shell. portanto

 (cd; pwd);  pwd

prints the home directory; leaving you where you were (printing this after the home directory), while

  CD;  pwd

leaves you in the home directory. Parenthesized commands are most often used to prevent chdir from affecting the current shell.

If the file has execute permissions but is not an executable binary to the system, then it is assumed to be a file containing shell commands and a new shell is spawned to read it.

If there is an alias for shell then the words of the alias will be prepended to the argument list to form the shell command. The first word of the alias should be the full path name of the shell (eg, ” $shell “). Note that this is a special, late occurring, case of alias substitution, and only allows words to be prepended to the argument list without change.

Signal Handling

The shell normally ignores SIGQUIT signals . Jobs running detached (either by & or the bg or %… & commands) are immune to signals generated from the keyboard, including hangups. Other signals have the values which the shell inherited from its parent. The shell’s handling of interrupts and terminate signals in shell scripts can be controlled by onintr . Login shells catch the SIGTERM (terminate) signal; otherwise this signal is passed on to children from the state in the shell’s parent. Interrupts are not allowed when a login shell is reading the file .logout .

Limitações

Comprimentos de palavras: as palavras não podem ter mais que 1024 caracteres. O número de argumentos para um comando que envolve expansão de nome de arquivo é limitado a 1/6 do número de caracteres permitidos em uma lista de argumentos. As substituições de comando podem substituir não mais caracteres do que os permitidos em uma lista de argumentos. Para detectar loop, o shell restringe o número de substituições de alias em uma única linha para 20.

arquivos

~ / .cshrclido no início da execução por cada shell
~ / .loginlido pelo shell de login, após .cshrc no login
~ / .logoutlido pelo shell de logon, ao sair
/ bin / shshell padrão, para scripts de shell que não começam com um #
/tmp/sh.*arquivo temporário para <<
/ etc / passwdfonte de diretórios pessoais para ” ~ name “

Exemplos

  csh

Executa e executa o C Shell (se presente).

Consulte o guia .cshrc para obter um exemplo do arquivo .cshrc e informações adicionais sobre esse arquivo.

bash – O interpretador de comandos do shell Bourne Again.
bc – Uma calculadora.
login – Inicia uma sessão em um sistema.
ls – lista o conteúdo de um diretório ou diretórios.
mais – Exibe o texto uma tela por vez.
ps – Relate o status de um processo ou processos.
sh – O interpretador de comandos do Bourne shell.

14 de novembro de 2019

Sobre nós

A Linux Force Brasil é uma empresa que ama a arte de ensinar. Nossa missão é criar talentos para a área de tecnologia e atender com excelência nossos clientes.

CNPJ: 13.299.207/0001-50
SAC:         0800 721 7901

sac@linuxforce.com.br

Comercial: 11 3796-7900

Suporte:    11 3796-5900
contato@linuxforce.com.br

Últimos Tweets

Erro ao receber tweets

Administrador Online

Não há usuários online neste momento
Copyright © Linux Force Security  - Desde 2011.