fbpx

Comandos Linux – Comando fuser

Comando fuser do Linux

Atualizado: 05/04/2019 por Computer Hope

comando fusor

Em sistemas operacionais do tipo Unix, o comando fuser identifica processos que estão atualmente usando arquivos ou soquetes no sistema.

Este documento descreve a versão GNU / Linux do fusor .

Descrição

O fusor exibe os PIDs dos processos usando os arquivos ou sistemas de arquivos especificados.

No modo de exibição padrão, cada nome de arquivo é seguido por uma letra indicando o tipo de acesso:

cdiretório atual.
eexecutável sendo executado.
fabrir arquivo. f é omitido no modo de exibição padrão.
Fabrir arquivo para escrever. F é omitido no modo de exibição padrão.
rdiretório raiz.
marquivo mmap’ed ou biblioteca compartilhada.

o fusor retornará um código de retorno diferente de zero se nenhum dos arquivos especificados for acessado ou no caso de um erro fatal. Se pelo menos um acesso for encontrado, o fusor retornará zero.

Para procurar processos usando soquetes TCP e UDP, o espaço de nome correspondente deve ser selecionado com a opção -n . Por padrão, o fusor procurará nos soquetes IPv6 e IPv4. Para alterar o comportamento padrão, use as opções -4 e -6 . Os soquetes podem ser especificados pela porta local e remota e pelo endereço remoto. Todos os campos são opcionais, mas vírgulas na frente dos campos ausentes devem estar presentes:

  [lcl_port] [, [rmt_host] [, [rmt_port]]]

Valores simbólicos ou numéricos podem ser usados ​​para endereços IP e números de porta.

o fusor envia apenas os PIDs para o stdout , todo o resto é enviado para o stderr.

Sintaxe

  fusor [-fuv] [-a | -s] [-4 | -6] [-c | -m | -n space ] [-k [-i] [-M] [-w]
       [- SIGNAL ]] nome ...
  fusor -l
  fusor -V

Opções

-a , –allMostra todos os arquivos especificados na linha de comando. Por padrão, apenas os arquivos acessados ​​por pelo menos um processo são mostrados.
-cA mesma opção -m , usada para compatibilidade com POSIX.
-fSilenciosamente ignorado, usado para compatibilidade com POSIX.
-k , –killMate processos acessando o arquivo. A menos que seja alterado com  SIGNAL , SIGKILL é enviado. Um processo do fusor nunca se mata, mas pode matar outros processos do fusor . O ID do usuário efetivo do processo que está executando o fusor é definido como o ID do usuário real antes de tentar eliminar.
-i , –interativoPeça confirmação ao usuário antes de interromper um processo. Esta opção é ignorada silenciosamente se -k também não estiver presente.
-l , –list-sinaisListar todos os nomes de sinais conhecidos.
-m NAME , –mount NAMENAME especifica um arquivo em um sistema de arquivos montado ou em um dispositivo de bloco montado. Todos os processos que acessam arquivos nesse sistema de arquivos são listados. Se um arquivo de diretório for especificado, ele será alterado automaticamente para NAME / . para usar qualquer sistema de arquivos que possa ser montado nesse diretório.
-M , –ismountpointA solicitação será atendida apenas se NAME especificar um ponto de montagem. Este é um cinto de segurança inestimável que impede que você mate a máquina se NAME não for um sistema de arquivos.
-WMate apenas processos que tenham acesso de gravação. Esta opção é ignorada silenciosamente se -k também não estiver presente.
-n ESPAÇO , –namespace ESPAÇOSelecione um espaço para nome diferente. arquivo de espaços de nome (nomes de arquivo, o padrão), udp (portas UDP locais) e tcp (portas TCP locais) são suportados. Para portas, o número da porta ou o nome simbólico podem ser especificados. Se não houver ambiguidade, o nome / espaço da notação de atalho (por exemplo, 80 / tcp) pode ser usado.
-s , –silentOperação silenciosa. -u e -v são ignorados neste modo. -a não deve ser usado com -s .
 SINALUse o sinal especificado em vez de SIGKILL ao matar processos. Os sinais podem ser especificados por nome (por exemplo, -HUP ) ou por número (por exemplo, -1 ). Esta opção será ignorada silenciosamente se a opção -k também não estiver presente.
-u , –userAnexe o nome de usuário do proprietário do processo a cada PID.
-v , –verboseModo verboso. Os processos são mostrados no estilo ps . Os campos PID, USER e COMMAND são semelhantes ao ps. ACCESS mostra como o processo acessa o arquivo. O modo detalhado também será exibido quando um arquivo específico estiver sendo acessado como um ponto de montagem, exportação de knfs ou arquivo de troca. Nesse caso, o kernel é mostrado em vez do PID.
-V , –versionExibir informações da versão.
-4 , –ipv4Procure apenas soquetes IPv4. Esta opção não deve ser usada com a opção -6 e só afeta os namespaces tcp e udp.
-6 , –ipv6Procure apenas soquetes IPv6. Esta opção não deve ser usada com a opção -4 e apenas afeta os namespaces tcp e udp.
Redefina todas as opções e defina o sinal novamente para SIGKILL .

Exemplos

  fusor.

Exiba todos os IDs de processos que estão usando o diretório atual (” ./ “).

  fusor -v.

Exibir informações detalhadas sobre todos os processos que estão usando o diretório atual. Essas informações incluem o nome do usuário que iniciou o processo e um indicador do nome do processo.

  fusor -v /

Exiba informações detalhadas sobre todos os processos que estão usando o diretório raiz.

kill – envia um sinal para um processo, afetando seu comportamento ou matando-o.
pkill – envia um sinal para qualquer processo cujos atributos correspondam a uma expressão regular.
ps – Relate o status de um processo ou processos.

18 de novembro de 2019

Sobre nós

A Linux Force Brasil é uma empresa que ama a arte de ensinar. Nossa missão é criar talentos para a área de tecnologia e atender com excelência nossos clientes.

CNPJ: 13.299.207/0001-50
SAC:         0800 721 7901

sac@linuxforce.com.br

Comercial  Comercial = 11 3796 5900

Suporte:    11 3796-5900
contato@linuxforce.com.br

Últimos Tweets

Erro ao receber tweets

Administrador Online

Não há usuários online neste momento
Copyright © Linux Force Security  - Desde 2011.