fbpx

Comandos Linux – Comando stop

Comando stop do Linux

comando de parada

Em sistemas operacionais do tipo Unix, o comando stop chama o daemon init para interromper um trabalho em execução no sistema. É equivalente ao comando initctl stop .

Descrição

O initctl permite que um administrador do sistema se comunique e interaja com o daemon init .

Quando executado como initctl , o primeiro argumento sem opção é o COMMAND . Opções globais podem ser especificadas antes ou depois do comando.

Você também pode criar links simbólicos ou físicos para initctl com o nome de comandos. Quando invocada por esses links, a ferramenta se comportará apenas como esse comando, com opções globais e específicas de comando misturadas. A instalação padrão fornece esses links para os comandos iniciar , parar , reiniciar , recarregar e status .

Sintaxe

initctl [ OPÇÃO ] ...   COMANDO [ OPÇÃO ] ... ARG ...

Opções

–do utilizadorModo de usuário. Nesse modo, o initctl conversará com o daemon init usando o soquete privado D-Bus definido na variável de ambiente UPSTART_SESSION .
–sessãoConecte-se ao daemon init usando o barramento de sessão do D-Bus (apenas para fins de teste).
–sistemaA comunicação com o daemon init é normalmente realizada através de uma conexão de soquete privado. Essa comunicação tem a vantagem de velocidade e robustez, ao emitir comandos para iniciar ou parar serviços ou até reinicializar o sistema, você não deseja ser afetado por alterações no daemon de barramento do sistema D-Bus.

A desvantagem de usar o soquete privado, no entanto, é a segurança; O init apenas permite que o usuário root se comunique nesse soquete, o que significa que comandos somente leitura, como status e list, não podem ser feitos por outros usuários.

A opção –system instrui o initctl a se comunicar através do barramento do sistema D-Bus, e não pelo soquete privado.

Esta opção só é possível se o daemon de barramento do sistema estiver em execução e se o init estiver conectado a ele. A vantagem é que a configuração de segurança padrão permite que usuários não raiz usem comandos somente leitura .

–destEspecifica o nome “conhecido” do daemon init ao usar –system .

Normalmente, não há necessidade de usar esta opção, pois o daemon init usa o nome Upstart padrão. No entanto, pode ser útil para depuração .

–no-waitAplica-se aos comandos iniciar , parar , reiniciar e emitir .

Normalmente, o initctl espera o comando terminar antes de retornar.

Para os comandos iniciar , parar e reiniciar , concluir significa que o trabalho nomeado está em execução (ou foi finalizado para tarefas) ou foi totalmente parado.

Para o comando emit , concluir significa que todos os trabalhos afetados pelo evento estão em execução (ou foram concluídos para tarefas) ou foram totalmente parados.

Em vez disso, essa opção faz com que esses comandos aguardem apenas a mudança ou o objetivo da meta ser enfileirado.

–quietoReduz a saída de todos os comandos apenas para erros.

Comandos

iniciar JOB [ KEY VALUE ] …Solicita que uma nova instância do JOB nomeado seja iniciada, emitindo o status do trabalho para a saída padrão quando o comando for concluído.

Consulte status para obter uma descrição do formato de saída.

Os argumentos opcionais KEY VALUE especificam variáveis ​​de ambiente a serem passadas para o trabalho inicial e colocadas em seu ambiente. Eles também servem para especificar qual instância dos trabalhos de várias instâncias deve ser iniciada.

A maioria dos trabalhos permite apenas uma única instância; aqueles que usam a estrofe da instância em sua configuração definem uma sequênciaexpandido de variáveis ​​de ambiente para nomear a instância. Tantas instâncias exclusivas podem ser iniciadas quanto nomes exclusivos podem ser gerados pela estrofe. Assim, as variáveis ​​de ambiente também servem para selecionar em qual instância do JOB será executada.

Se o trabalho já estiver em execução, o start retornará um erro.

Quando chamado a partir da sub-rotina de pré-parada de uma configuração de tarefa, start pode ser chamado sem argumento para cancelar a parada .

interromper TRABALHO [ KEY VALUE ] …Solicita que uma instância do JOB nomeado seja parada, emitindo o status do trabalho para a saída padrão quando o comando for concluído.

Consulte status para obter uma descrição do formato de saída e inicie uma discussão sobre instâncias.

Quando chamado a partir da sub-rotina de pré-inicialização de uma configuração de tarefa, stop pode ser chamado sem um argumento para cancelar o início .

reiniciar JOB [ KEY VALUE ] …Solicita que uma instância do JOB nomeado seja reiniciada, emitindo o status do trabalho para a saída padrão quando o comando for concluído.

A instância do job que está sendo reiniciada manterá sua configuração original. Para que a nova instância seja executada com a configuração mais recente do trabalho, pare o trabalho e, em seguida, inicie -o novamente.

Consulte status para obter uma descrição do formato de saída e inicie uma discussão sobre instâncias.

Observe que este comando só pode ser usado quando houver uma instância de JOB ; se não houver, ele retornará um erro em vez de iniciar um novo.

recarregar JOB [ KEY VALUE ] …Envia o sinal SIGHUP para o processo em execução da instância JOB nomeada . Veja o início para uma discussão sobre instâncias.
status JOB [ KEY VALUE ] …Solicita ao status uma instância do JOB nomeado , gerando a saída padrão.

Veja o início para uma discussão sobre instâncias.

Para um trabalho de instância única, é exibida uma linha como a seguinte:

início / execução da tarefa, processo 1234

O nome do trabalho é fornecido primeiro, seguido pelo objetivo e estado atuais da instância selecionada. O objetivo é iniciar ou parar , o status pode ser de espera , partida , pré-partida , gerada , pós-partida , corrida , pré-parada , parada , morte ou pós-parada .

Se o trabalho tiver um processo ativo, a identificação do processo seguirá na mesma linha. Se o estado for pré-início ou pós-parada, esse será o ID do processo equivalente; caso contrário, será o ID do processo principal:

início / pré-início do trabalho, processo 902

Os estados pós-início e pré-parada podem ter vários processos anexados, os processos extras seguirão em linhas consecutivas recuadas por uma guia:

início do trabalho / pós-início, processo 1234
        processo pós-inicialização 1357

Se não houver processo principal, eles podem seguir a mesma linha, mas serão prefixados para indicar que não é o ID do processo principal que está sendo fornecido:

início do trabalho / pós-início, processo (pós-início) 1357

Os trabalhos que permitem várias instâncias têm nomes para cada instância; a saída é idêntica à anterior, exceto que o nome da instância segue o nome da tarefa entre parênteses:

início do trabalho (tty1) / pós-início, processo 1234
        processo pós-inicialização 1357
ListaSolicita uma lista dos trabalhos e instâncias conhecidos, gera o status de cada um para a saída padrão.

Observe que esse comando inclui na enumeração os trabalhos ainda a serem executados (em outras palavras, arquivos de configuração para os quais ainda não foram criadas instâncias de trabalho) na saída com o status “parar / aguardar”. Com efeito, essas entradas indicam arquivos de configuração que representam possíveis trabalhos futuros.

Consulte status para obter uma descrição do formato de saída e inicie uma discussão sobre instâncias.

Nenhuma ordem específica é usada para a saída e não há diferença na saída (exceto o nome da instância que aparece entre parênteses) entre os trabalhos de instância única e várias instâncias.

emitir EVENT [ KEY VALUE ] …Solicita que o EVENTO nomeado seja emitido, potencialmente causando a inicialização e a interrupção de tarefas, dependendo do uso da inicialização e parada nas sub-rotinas de sua configuração.

Os argumentos opcionais KEY VALUE especificam variáveis ​​de ambiente a serem incluídas no evento e, portanto, exportadas para o ambiente de quaisquer trabalhos iniciados e parados pelo evento.

O ambiente também pode servir para especificar qual instância dos trabalhos de várias instâncias deve ser iniciada ou parada. Veja o início para uma discussão sobre instâncias.

Não há limitação nos nomes de eventos que podem ser emitidos com este comando; você é livre para inventar novos eventos e usá-los em suas configurações de trabalho.

O evento mais “conhecido” usado pela configuração Upstart padrão é o evento runlevel . Esta opção é normalmente emitida pelas ferramentas telinit e shutdown .

recarregar-configuraçãoSolicita que o daemon init recarregue sua configuração.

Esse comando geralmente não é necessário, pois o init observa seus diretórios de configuração com inotify e é recarregado automaticamente em casos de alterações.

Nenhum trabalho será iniciado por este comando.

versãoSolicita e gera a versão do daemon init em execução .
prioridade de log [ PRIORIDADE ]Quando chamado com um argumento PRIORITY , solicita que o daemon init registre todas as mensagens com essa prioridade ou superior. Isso pode ser usado para aumentar e diminuir o volume de mensagens registradas.

A PRIORIDADE pode ser uma de depuração , informação , mensagem , aviso , erro ou fatal .

Quando chamado sem argumento, solicita a prioridade mínima atual da mensagem que o daemon init registrará e produzirá na saída padrão.

show-config [ OPÇÕES ] [ CONF ]O monitor emite , inicia e para nos detalhes da configuração do trabalho (nessa ordem) para a configuração do trabalho especificada, CONF . Se CONF não for especificado, liste as informações para todas as configurações de trabalho válidas.

Observe que uma configuração de trabalho é o nome de um arquivo de configuração de trabalho, sem a extensão. Observe também que essas informações são estáticas: elas não se referem a nenhum trabalho em execução.

Para cada evento emitido, uma linha separada é exibida começando com dois caracteres de espaço seguidos por “emite evento”, em que “evento” indica um único evento emitido.

As condições de início e parada estão listadas em linhas separadas, começando com dois espaçoscaracteres e seguido por “iniciar” e “parar”, respectivamente, terminando com a condição apropriada.

Se uma configuração de trabalho não emitir , iniciar ou parar em condições, o nome da configuração do trabalho será exibido sem mais detalhes.

Observe que as condições de inicialização e parada serão totalmente entre colchetes, independentemente de elas aparecerem assim no arquivo de configuração da tarefa, o que é útil para ver como o daemon init percebe a condição.

Exemplo de saída:

foo
  emite boing
  emite um pontinho
  iniciar em (começando A e (B ou C var = 2))
  parar (barra HELLO = teste mundial = 123 ou parar a wibble)

OPTION pode ser o seguinte:

-e , –enumerateSe especificado, em vez de listar as condições precisas de início e parada nas saídas, gera as linhas de emissão juntamente com uma linha para cada evento ou trabalho em que o CONF em questão pode ser iniciado ou interrompido se ele se tornar um trabalho. Se a condição start on especificar um evento que não seja de trabalho, isso será listado literalmente, enquanto que para um evento de trabalho, o nome do trabalho, em oposição ao evento que ele emitir, será listado.

O tipo de entidade, seu evento acionador (se apropriado) e seu ambiente completo são exibidos entre colchetes após o nome para maior clareza.

Esta opção é útil para ferramentas que geram gráficos de relacionamentos entre tarefas e eventos. Também é instrutivo, pois mostra como oO daemon init analisou o arquivo de configuração do trabalho.

Exemplo de saída (um analógico do formato de saída padrão acima):

foo
  emite boing
  emite um pontinho
  começar a começar (trabalho: A, env :)
  iniciar em B (trabalho :, env :)
  iniciar em C (trabalho :, env: var = 2)
  parar na barra (trabalho :, env: HELLO = teste mundial = 123)
  parar em parar (job: wibble, evento: stop, env :)
check-config [ OPÇÕES ] [ CONF ]Considera todas as configurações de trabalho que procuram trabalhos que não podem ser iniciados ou interrompidos, considerando as configurações de trabalho atualmente disponíveis. Ao considerar o início , pare e emita estrofes para cada configuração de tarefa e identifique cenários inacessíveis.

Esta opção é útil para determinar o impacto da adição ou remoção de arquivos de configuração do trabalho.

Observe que, para usar este comando, é necessário garantir que todos os arquivos de configuração de tarefas anunciam os eventos que emitem corretamente.

Se forem identificados erros, o nome da configuração do trabalho será exibido. As linhas subseqüentes mostrarão as condições de falha na configuração do trabalho, uma por linha. As linhas de condição começam com dois espaços e são seguidas com “start on:” ou “stop on:”, a palavra “unknown”, o tipo de entidade que não é conhecido e, finalmente, seu nome.

Observe que apenas as configurações do trabalho que estão logicamente com erro (aquelas com condições insatisfatórias) serão exibidas. Observe também que configurações de trabalho sintaticamente inválidas podem acionar um erro se causarem um erro na condição.

Supondo que o arquivo de configuração do trabalho /etc/init/foo.conf contenha o seguinte:

começar a começar uva
pare no pêssego

O comando check-config pode exibir:

foo
  começo: emprego desconhecido uva
  parar: evento desconhecido pêssego

Se algum erro for detectado, o código de saída será 1 (um). Se todas as verificações passarem, o código de saída será 0 (zero).

Observe que, para condições complexas de iniciar e parar , esse comando pode fornecer o que parece ser uma saída enganosa quando uma condição de erro é encontrada, pois todas as expressões na condição de falha que estão com erro geram uma saída de erro. Por exemplo, se a configuração do trabalho /etc/init/bar.conf contiver o seguinte:

iniciar em (A e (iniciado B ou (iniciando C ou D))))

E apenas o evento A pode ser satisfeito, a saída será:

Barra
  começo em: trabalho desconhecido B
  começo em: trabalho desconhecido C
  início: evento desconhecido D

OPTION pode ser o seguinte:

-i [ EVENTOS ], –ignore-events [ EVENTOS ]Se especificado, o argumento deve ser uma lista de eventos separados por vírgula a serem ignorados ao verificar os arquivos de configuração do trabalho. Essa opção pode ser útil para ignorar erros se um arquivo de configuração de tarefa específico não anunciar que emite um evento. Observe que os eventos internos (como o arranque e arranque ) são automaticamente ignorado.
-w , –warnSe especificado, trate quaisquer trabalhos e eventos desconhecidos como erros.
notificar gravável em discoNotifique o daemon init que agora o disco pode ser gravado. Atualmente, isso faz com que o daemon init libere seu cache interno de dados de saída do ‘trabalho inicial’. Um trabalho inicial é qualquer trabalho que termina antes que o disco de registro se torne gravável. Se o registro de trabalhos não estiver desativado, esse comando deverá ser chamado assim que o disco de registro se tornar gravável para garantir que a saída de todos os trabalhos anteriores seja liberada. Se os dados forem gravados com êxito no disco, o cache interno será excluído.
list-env [ OPÇÃO ]Exiba uma lista lexicograficamente classificada de todas as variáveis ​​e seus valores em uma tabela do ambiente de trabalho.

Quando executado a partir de um trabalho, este comando consulta automaticamente a tabela de ambiente específico do trabalho; caso contrário, a tabela de ambiente global aplicada a todos os trabalhos quando eles são iniciados é consultada.

Observe que a tabela do ambiente de tarefa global compreende as variáveis ​​já configuradas no ambiente init daemons na inicialização, o conjunto mínimo de variáveis ​​padrão do sistema adicionadas pelo daemon init e quaisquer variáveis ​​configuradas usando set-env . Veja init para mais detalhes.

OPTION pode ser o seguinte:

-g , –globalOpere na tabela do ambiente de trabalho global. Esta opção está implícita quando não é executada a partir de um trabalho.
get-env [ OPÇÃO ] VARIÁVELExiba o valor da variável especificada em uma tabela do ambiente de trabalho.

Quando executado a partir de um trabalho, este comando consulta automaticamente a tabela de ambiente específico do trabalho; caso contrário, a tabela de ambiente global aplicada a todos os trabalhos quando eles são iniciados é consultada.

OPTION pode ser o seguinte:

-g , –globalOpere na tabela do ambiente de trabalho global. Esta opção está implícita quando não é executada a partir de um trabalho.
set-env [ OPTIONS ] VARIABLE [ VALUE ]Adiciona ou atualiza uma variável em uma tabela de ambiente de trabalho. As variáveis ​​definidas dessa maneira serão aplicadas a todos os trabalhos iniciados posteriormente.

Este comando é permitido apenas ao executar no modo de sessão do usuário. Veja init para mais detalhes.

OPÇÕES podem ser as seguintes:

-r , –retainSe a variável especificada já estiver definida, não a modifique.
-g , –globalOpere na tabela do ambiente de tarefas global e em todas as tabelas existentes do ambiente de tarefas em execução. Esta opção está implícita quando não é executada a partir de um trabalho.

Essa opção é uma opção avançada cujo uso é desencorajado, pois pode alterar o ambiente de um trabalho à medida que ele se move entre diferentes estágios do processo (por exemplo, entre a pré-inicialização e o processo principal). Veja init para mais detalhes.

unset-env [ OPTIONS ] VARIÁVELRemova a variável especificada de uma tabela de ambiente de trabalho. Se a variável ainda não existir na tabela, nenhuma alteração será feita. Este comando é permitido apenas ao executar no modo de sessão do usuário. Veja init para mais detalhes.

OPÇÕES podem ser as seguintes:

-r , –retainSe a variável especificada já estiver definida, não a modifique.
-g , –globalOpere na tabela do ambiente de tarefas global e em todas as tabelas existentes do ambiente de tarefas em execução. Esta opção está implícita quando não é executada a partir de um trabalho.

Essa opção é uma opção avançada cujo uso é desencorajado, pois pode alterar o ambiente de um trabalho à medida que ele se move entre diferentes estágios do processo (por exemplo, entre a pré-inicialização e o processo principal). Veja init para mais detalhes.

reset-env [ OPÇÕES ]Descarta todas as alterações feitas em uma tabela do ambiente de trabalho , retornando ao seu conjunto padrão de variáveis ​​e valores.

Este comando é permitido apenas quando executado no modo de sessão do usuário. Veja init para mais detalhes.

Observe que o efeito do processo Init Init que gerencia a reinicialização do modo de sessão do usuário é equivalente a esse comando ter sido chamado.

OPÇÕES podem ser as seguintes:

-r , –retainSe a variável especificada já estiver definida, não a modifique.
-g , –globalOpere na tabela do ambiente de trabalho global. Esta opção está implícita quando não é executada a partir de um trabalho.

Observe que, diferentemente de set-env e unset-env , essa opção não modifica as tabelas do ambiente de tarefas em execução.

sessões de listaListe o pid do processo Init Init, seguido pelo valor de UPSTART_SESSION em uso para essa sessão, separada por um caractere de espaço. Os arquivos de sessão relacionados aos processos Session Init que não estão mais em execução são considerados ‘obsoletos’ e não são listados (embora, quando executados usando –verbose , o caminho completo do arquivo de sessão obsoleto seja exibido).
emprego JOB [ KEY VALUE ] …Mostrar informações de uso para o TRABALHO nomeado . Se o trabalho especificado não definir a sub-rotina de uso, um uso em branco será exibido.

Exemplo de saída para um trabalho que especifica a sub-rotina de uso é mostrado abaixo:

Uso: tty DEV = ttyX - onde X é o ID do console

Exemplos

stop 1234

Pare o trabalho com o ID do processo 1234 .

init – O pai de todos os processos no sistema.
kill – envia um sinal para um processo, afetando seu comportamento ou matando-o.
ps – Relate o status de um processo ou processos.
shutdown – Programe um horário para o sistema ser desligado.
topo – Exibe uma lista classificável e continuamente atualizada de processos.

22 de novembro de 2019

Sobre nós

A Linux Force Brasil é uma empresa que ama a arte de ensinar. Nossa missão é criar talentos para a área de tecnologia e atender com excelência nossos clientes.

CNPJ: 13.299.207/0001-50
SAC:         0800 721 7901

sac@linuxforce.com.br

Comercial  Comercial = 11 3796 5900

Suporte:    11 3796-5900
contato@linuxforce.com.br

Últimos Tweets

Erro ao receber tweets

Administrador Online

Não há usuários online neste momento
Copyright © Linux Force Security  - Desde 2011.